O FIM DO OCIDENTE

A falta de entendimento entre a União Europeia e os EUA de Trump pode acelerar o avanço asiático para uma posição de liderança mundial, numa triste ironia da história. Não só a China é, hoje, grande investidora em todo o mundo –  até aqui na esfera de influência americana ou europeia. Está presente na América Latina e na África, assim como nos EUA e na Europa, direcionados para setores estratégicos, como a energia. Agigantam-se ainda outras nações, como a Coreia do Sul, observa-se a volta discreta, mas firme, do Japão, além de economias que encontraram seus nichos, como Malásia e Tailândia. A Índia, porém, é a única emergente a se consolidar moderna e agressiva.

Brasil e África do Sul, que podiam ter aproveitado os anos tranquilos da economia mundial para apresentarem reformas estruturais, perderam tempo e o juízo. Estão mergulhados em crises na gestão pública, na hostilidade ao capital, na falta de investimentos necessários na infraestrutura,nos casos de corrupção . A Rússia parece cada vez mais asiática e menos europeia, com governo forte, mas sem ter conseguido se organizar como uma sociedade moderna que sabe aproveitar suas imensas potencialidades.

A Espanha não se entende, a França agarrada aos privilégios de segmentos da sociedade, Portugal quer receber investimentos mas com muito imposto e   cara burocracia.

No Oriente Médio, existem preocupações quanto à estabilidade no médio prazo da Arábia Saudita, a presença do radicalismo muçulmano em boa parte da região, a tensão em relação a Israel, única democracia e sociedade capitalista com boa distribuição de renda, sofrendo pressões oriundas da esquerda ocidental, inclusive a americana. O desafio de encontrar uma solução para os palestinos é das grandes potênciais, a começar pela Inglaterra, que deixou o serviço incompleto no pós-guerra. O razoável é a intocabilidade de Israel.

Temos motivos de preocupação em nosso continente, onde estão implantados regimes nocivos à felicidade e ao bem-estar de suas populações, gerando apreensão nos demais países. Não se pode negar esta realidade na Venezuela, Equador, Cuba, Nicarágua, Bolívia e, receia-se que, em breve, no México. E o mais grave é que esta linha política denominada de bolivariana encontra eco em importantes lideranças políticas de democracias, como o caso brasileiro em que candidatos na corrida presidencial contemporizam com o regime de Maduro.

Infelizmente nossa tradição na formulação de uma política desenvolvimentista não considera o que se passa no mundo. Exceção é justo lembrar do Governo Fernando Collor . Patinamos no avançar por puro provincianismo.

Temos de olhar com mais atenção estas mudanças no mundo!

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.