CURSO DE ROBERTO CAMPOS PARA SAIR DA CRISE

Ninguém duvida, nem este governo, que o Estado-empresário faliu. Logo, é hora de vender ativos e não apenas fatias. Inclusive por inexistir investidor que queira ser sócio minoritário do Estado, que é mau gestor, quando não passível de abrigar corruptos.

Ninguém duvida, nem este governo, que o Estado-empresário faliu. Logo, é hora de vender ativos e não apenas fatias. Inclusive por inexistir investidor que queira ser sócio minoritário do Estado, que é mau gestor, quando não passível de abrigar corruptos.

Precisamos implantar logo Zonas de Processamento de Exportações (ZPEs), que, para começar, poderia ser em Manaus, onde está a Zona Franca, e uma outra na fronteira oeste, com saída para o Pacífico, cujas estradas precisam ser tocadas. Também colocar em prática o chamado Rio-dólar, ideia de Theophilo de Azeredo Santos que Roberto encampou, gerando empregos de alta qualificação na cidade. E, dada a nossa incrível carga fiscal, abrir nosso comércio para o sistema Tax Free, pois o nosso turista nada compra aqui pelos preços elevados. Existe em toda a Europa, portanto, basta chamar duas ou três empresas e vencer resistências corporativas da Receita, assim como salvar a Medida Provisória do repatriamento, baixando para 10% para que surta algum efeito. Tudo depende de uma canetada. Precisa-se acabar com as falsas empresas privadas que, na verdade, são controladas por estatais e focos de bondades aos poderosos, inclusive de estados. A CVM deve saber e silencia não se sabe bem por qual motivo.

Para salvar nossas empresas encalacradas, muitas e importantes, com o endividamento em dólar, é necessário abrir uma linha de crédito no Banco do Brasil para que recomprem seus papéis pelos valores cotados, que andam em torno de 50% do valor de face.

Por fim, há de se apostar na simplificação fiscal, com menos impostos e mais contribuintes. Fórmula parecida com a proposta feita por Roberto Campos e  pelo deputado Luís Roberto Ponte com base no projeto do imposto único do então deputado Flávio Rocha. Simples, não é?

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.