A SOCIEDADE CULPADA

O Rio de Janeiro vive uma depressão política inimaginável. Depois da fusão dos estados da Guanabara e Rio de Janeiro, com o governo impecável do Almirante Faria Lima, que organizou o estado e foi responsável pelo último governo a olhar a agricultura, com o saudoso José Resende Peres, e outros homens de bem na sua equipe, como Laudo de Almeida Camargo, Woodrow Pantoja, Costa Couto, Josef Barat, Luiz Rogério Mitraud. Talvez Marcello Alencar tenha sido o único a apresentar um saldo positivo em termos de realizações. O episódio Sérgio Cabral foi triste, pois, se por um lado, cometeu tantos erros graves, por outro, foi um gestor com visão e grandeza, ajudado por um bom prefeito do Rio, que foi Eduardo Paes, e soube, por habilidade e não por afinidade, conquistar as simpatias do então presidente Lula. Agora,depois de tudo, este espetáculo de suspeições no trato do dinheiro público para o combate à pandemia que nos faz vice-campeões nacionais nos casos e nas mortes. Vexame, caos, corrupção.

Mas, pensando bem, as elites, no sentido das pessoas de bem, empresários, profissionais liberais, intelectuais, moradores do estado e da Cidade Maravilhosa, têm parcela de culpa nesta situação degradada moral e administrativamente. Houve uma renúncia à participação na vida pública, na busca de mandatos legislativos, fazendo com que a qualidade caísse a este ponto a que chegamos. Hoje, o que se salva são alguns nomes na bancada federal. O Governador era um desconhecido. E chegou onde chegou!

No passado não muito distante, tínhamos parlamentares de alto nível, e citaria figuras como os educadores Flexa Ribeiro e Souza Marques, o médico Raimundo de Britto, o jurista Célio Borja, o diplomata Álvaro Valle, o empresário Hélio de Almeida, militares do gabarito dos senadores Gilberto Marinho, Amaral Peixoto, Caiado de Castro e Paulo Torres, deputados Menezes Cortes, Eurípedes Cardoso de Menezes, Osnelli Martinelli, Roberto Campos e notáveis políticos, de carreira longa e correta como Nelson Carneiro e Francisco Dornelles. E agora? Romário?

Hoje, na administração pública, os nomes são desconhecidos, não têm passado e, pelo visto, não terão futuro. É preciso, portanto, que se estimule a participação de pessoas posicionadas na sociedade, que venham para a política para servir e não para se servirem, como esta safra, com parlamentares, secretários de estado e conselheiros de Contas presos por corrupção. E, nesta ladroagem pandêmica, ressurgem nomes que estão soltos por descuido ou generosidade do Judiciário.

É preciso convocar os homens de bem, de diferentes linhas de pensamento, mas de mãos limpas e boas intenções para o exercício da vida pública. O Rio não pode ser o centro cultural e tecnológico de referência que é, cartão postal do Brasil, com este tipo de gente na sua vida pública, sob risco de os poucos bons debandarem.

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.