SABEDORIA MINEIRA

Não foi obra do acaso o fato de a política brasileira ter sido marcada, desde a Independência, pela presença decisiva de mineiros como atores de referência. Na República, foi a estabilidade criada pela política do café com leite. A Revolução de 30 teve sua articulação nacional a cargo de dois mineiros decisivos: Antônio Carlos Andrada e Virgílio Mello Franco – além da rápida aceitação internacional articulada por Afrânio de Mello Franco.

O Estado Novo, que manteve o Brasil em ordem antes e durante a II Guerra, se deveu a habilidade de Francisco Campos e seu chefe de Gabinete, Francisco Negrão de Lima. A redemocratização teve início com o Manifesto dos Mineiros, o arranque desenvolvimentista com JK e a Revolução de 64, com o governador Magalhães Pinto e o general Olímpio Mourão Filho.

Os presidentes militares buscaram nos políticos mineiros seus vices – José Maria Alkmin, Pedro Aleixo e Aureliano Chaves – e a redemocratização foi com Tancredo Neves. E Itamar Franco implantou a estabilidade da economia, com projeto elaborado por outro mineiro, Elizeu Rezende.

Essa memória é importante na medida em que se percebe faltar ao atual governo sabedoria política e habilidade natural dos mineiros. Vemos um excelente programa e bons quadros executivos, mas muito desgaste político entre formadores de opinião. O que é consenso positivo, na firmeza e qualidade das propostas, está a cargo do ministro da Economia, Paulo Guedes, mineiro de Ponte Nova. Nem no Congresso o governo conta com uma liderança mineira.

Política se faz com políticos, com habilidade, capacidade conciliatória, sem radicalismos e sem embates desnecessários ou injustificáveis. No entanto, no Planalto, prevalece a inexperiência, salvo do general Augusto Heleno, com odores de estadista e de pacificador, mas parece que sem os instrumentos necessários para ampliar sua influência. Reconhecido por ter como única ambição servir ao governo e ao país.

O presidente Bolsonaro, que teve a oportunidade de salvar o Brasil de uma solução trágica, bolivariana, tem mostrado sabedoria ao formar os quadros executivos em áreas importantes, como saúde, minas e energia, infraestrutura; e assim vai tocando importantes obras.

Falta a fugir de provocações, de uma pauta inútil e fútil, e deixar de responder a questionamentos que não se refiram ao que interessa ao sofrido brasileiro, que é a retomada econômica, do emprego, na segurança pública e o combate à corrupção. Tem de aprovar novas reformas, continuar a desmontar a burocracia fiscal e regulatória que asfixia o progresso.  E não esquecer de simplificar nosso Judiciário, que hoje é lento e ocupa espaços tradicionalmente do Legislativo ou do Executivo.

Em boca fechada não entra mosca….

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.