Os Antonios portugueses de Gilberto Freyre

Criador do lusotropicalismo, Gilberto Freyre, no seu livro em que narra os sete meses de viagens, em 1951, por Portugal e seus estados ultramarinos em África e Ásia, nos dá uma lição de comportamento verdadeiramente democrático. Crítico feroz do Estado Novo brasileiro, eleito deputado constituinte que sucedeu a queda de Vargas, em 1945, Freyre assumiu sua admiração por Antonio de Oliveira Salazar, tanto o intelectual como o estadista. E isso sem prejuízo da alta consideração e identidades com um grande crítico de Salazar, o escritor Antonio Sérgio. O autor da ideia e do convite a Gilberto Freyre foi o então ministro do Ultramar, Sarmento Rodrigues, que fora governador da Guiné Bissau e forma entre os grandes portugueses daqueles anos.

A admiração por Salazar, aliás, nada tinha de singular, pois outro brasileiro do mesmo Nordeste, e representativo sob o ponto de vista cultural, Luis da Câmara Cascudo, era outro admirador do estadista português. Na ocasião, esta postura custou-lhe a cobrança dos esquerdistas, alguns indo ao rompimento pessoal, como é normal entre os intolerantes marxistas. Mas o tempo é senhor da razão e, anos depois, foi o próprio Mário Soares, em viagem oficial ao Recife, que fez questão de visitar o sociólogo, que respeitava como um dos grandes das letras nos dois países.

O citado livro de Freyre é o Aventura e Rotina, com uma edição em Portugal e três no Brasil, a mais recente em 2001, na excelente Topbooks, com prefácio do membro da Academia Brasileira e ex-embaixador do Brasil em Lisboa Alberto Costa e Silva. É obra que não perde atualidade pelo que vai descrito, pelo que é previsto e pelo que foi pensado.

Ao descrever a viagem, retrata bem o estilo português de levar uma cultura muito própria a diferentes regiões e povos; diferente das sociedades formadas pelos ingleses, por exemplo, na Nova Zelândia, Austrália e na África continental. A integração racial, a mestiçagem, tudo o que fez o Brasil ser como ele é, Freyre soube definir melhor do que ninguém em suas obras.

No previsto e pensado, já naqueles anos, com a Índia recém-separada da Inglaterra, imaginava que Goa, Damão e Diu deveriam ter um status semelhante ao Canadá, em relação ao Reino Unido, como maneira de preservar a cultura e a presença portuguesa. Eram enclaves pequenos em meio a uma imensa Índia. Também imaginou se não seria melhor, o que veio a desenvolver depois da viagem em crônicas, que Angola e Moçambique tivessem um processo de autonomia sob comando de Portugal, como ocorreu no Brasil, com o príncipe herdeiro, primeiro, no Brasil, e quarto, em Portugal.

Passados  os anos, um olhar retrospectivo mostra o bem pensar do autor de Casa Grande e Senzala, que, caso tivesse desenvolvido seu convívio com Portugal – e Recife tão perto –,  poderia ter influído numa política de consenso para evitar a guerra e suas consequências, como mutilados, falta de liberdade, corrupção e  desunião, antecipando uma comunidade efetivamente unida de países de língua portuguesa. De cultura, formação espiritual e multirracial.

Também hoje, excetuados os referidos marxistas empedernidos, Salazar é reconhecido pelas qualidades de intelectual, estadista de visão, probidade e levado a posições conservadoras e até isolacionistas pela permanente ameaça dos comunistas apoiados por uma potência como a extinta URSS, onde moravam alguns dos líderes comunistas portugueses. Até as restrições à liberdade de imprensa e abertura política são de certa forma entendidas como o mal menor diante da alternativa. O que, aliás, o 25 de abril veio a confirmar, com desapropriações, “saneamentos”, confiscos, queima de preciosas reservas e quase que a perda da liberdade, salva no último minuto.

O ideal que veio a criar a CPLP não deve perecer. Um dia poderá ser uma realidade, com benefícios para todos.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.