A HORA DE VOTAR

O Brasil vai votar no final da próxima semana. As campanhas esquentaram, mas muitas estão claramente definidas, como é o caso da maior cidade do país, São Paulo, em que o prefeito Bruno Covas está reeleito no segundo turno. Mais pelos seus opositores mais prováveis, Russomano ou Boulos, ambos com intransponíveis graus de rejeição.

No Rio, a eleição fica mais duvidosa, uma vez que o favorito Eduardo Paes, amparado nos dois produtivos mandatos exercidos, pode ter um segundo turno perigoso. É que a candidata do PDT, deputada Martha Rocha, amparada em lideranças nacionais como Ciro Gomes, em conseguindo ultrapassar o prefeito Marcelo Crivella, terá em torno de sua candidatura a união das esquerdas e de parte das classes médias que votam com o fígado e não com o coração ou a inteligência.

O prefeito Marcelo Crivella, se não fez ou não pôde fazer uma administração realizadora, inclusive pela crise que o país atravessa desde sua posse, com fortes reflexos na cidade, também não pode ser considerado um mal prefeito.

Alguns eleitores mais sofisticados de Eduardo Paes devem votar em Crivella, no primeiro turno, e nele, no segundo. Mas só ajudará se a diferença for realmente pequena. A eventual disputa Eduardo Paes com Marta Rocha, no meu entender, será muito acirrada e quem levar será por pequena diferença. Eduardo Paes precisava ter a coragem de não ir a debate e justificar claramente que não estaria disposto a uma luta desigual, pois não recorreria a baixarias do tipo explorar suas ligações com Sérgio Cabral e Lula, dois governantes que foram reeleitos  e dos quais ele dependia para  liberar recursos e promover parcerias. Como é sabidamente mais conhecido do que a opositora, não precisa se expor, pois, no dia seguinte, a claque esquerdista ocupará as mídias. Embora inteligente e competente, Eduardo Paes parece ter assessoria política mais de publicitários do que de políticos. Não fez o seu sucessor, pois não acreditou que eleição majoritária é diferente da proporcional e que tinha dois outros secretários mais bem colocados na ocasião. Inacreditavelmente, apesar dos mandatos que mexeram com toda a cidade, seu candidato não foi nem ao segundo turno. Hoje, temos um político mais maduro e realista.

Na vereança, deve haver certa renovação, com candidaturas de jovens, e alguns mais experientes voltando, como é o caso do ex-vereador e ex-deputado estadual Wagner Siqueira,  e a reeleição certa de Cesar Maia ,que exerceram bem os mandatos.

Partidos e coligações passaram a valer menos nesta eleição. O que a reeleição provável em primeiro turno do prefeito Elias Khalil, de BH, é uma prova.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.