CATÓLICOS NO CONGRESSO

Hoje só se fala em bancada evangélica, quando o país é majoritariamente católico. No passado, a Igreja liberava os clérigos para a militância política. No Rio, um padre, Olímpio de Melo, não só foi um eficiente prefeito, como exerceu forte influência política. E os católicos tinham seus deputados e vereadores, como, no Rio, o professor Gladstone Chaves de Melo e Eurípedes Cardoso de Menezes.

São Paulo elegeu senador o padre Calazans e deputado, o padre Godinho, grande orador e escritor, que viveu muitos anos em Roma. E Pernambuco teve o monsenhor Arruda Câmara, um dos mais atuantes do Congresso.Alguns cardeais se destacaram pela vigilância na defesa de princípios éticos e morais católicos, vetando nomes que defendiam teses ou ideologias combatidas pela Igreja. Um deles foi o cardeal Jaime de Barros Câmara, do Rio de Janeiro, o primeiro a subir nas favelas. Mas Minas teve o arcebispo de Diamantina, D. Sigaud, de presença nacional em seus pronunciamentos; Rio Grande do Sul, D. Vicente Scherrer, que abraçava com fervor a causa democrática. D. Helder Câmara, quando padre, foi militante na Ação Integralista Brasileira, que reunia nomes do catolicismo, como Plínio Salgado (autor do livro A Vida de Cristo), Alceu de Amoroso Lima, Jackson de Figueiredo e outros. Hoje são poucos os deputados e senadores efetivamente compromissados com a Igreja, como é o caso de Hugo Leal , do Rio, formado em seminário franciscano, Lael Varela e Bonifácio Andrada em Minas, onde a esquerda católica tem seu representante no Deputado Odair Cunha. Claro que nada impede alianças com políticos de outras crenças, como, aliás, tem defendido enfaticamente os três últimos papas, que pregam a união do mundo cristão. .

Essa presença ostensiva na política teve de positivo o conhecimento do pensamento dos religiosos pelas suas opções partidárias e posições diante do debate nacional. O afastamento deles, por orientação superior, não impede que clérigos tenham suas preferências, mas sempre passíveis de interpretações não muito claras. Um afrouxamento que se reflete até mesmo no abandono dos sinais visíveis nas roupas, o que, inclusive, contraria o Código Canônico em vigor. Este é um fenômeno da América Latina, uma vez que na Europa freiras e padres, com suas indumentárias próprias, fazem parte da paisagem urbana.

A população é religiosa por princípio, cristãos na sua maioria e muitos misturam crenças. Na Constituinte de 1988, houve a tentativa da retirada do nome de Deus da Carta, o que os cristãos e judeus impediram. E esta presença sempre será positiva, como foi na Itália, no final dos anos 1920, quando o Papa Pio XI, com apoio da forte bancada católica, conseguiu do então governo o retorno do crucifixo nas salas de aula das escolas e o Acordo de Latrão, que criou o Estado do Vaticano.

Fazer política não é pecado e pode até ser recomendável.Mas de maneira transparente.

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.