Histórias E Estórias #49

O mundo muda com grande velocidade. A Internet, praticamente, eliminou a circulação de jornais fora de suas sedes e países. Antes, era comum circularem em todo o mundo desenvolvido, no mesmo dia ou no seguinte. Os brasileiros mesmo eram facilmente encontrados em cidades como Nova York, Paris e Lisboa. O francês Le Figaro e o americano New York Times eram presentes em muitos lugares fora da Europa.

Hoje, a televisão, com os canais de notícias, e a Internet atendem aos viajantes que gostam de saber o que acontece em suas cidades. E os que consultam se contam aos milhares, em todos os recantos do mundo. Assim ocorre com os nossos, inclusive com o DESTAK, que atende aos brasileiros oriundos de São Paulo, Campinas, ABC, Rio de Janeiro, Brasília e Recife. E ainda mais às segundas. Não pela nossa coluna, mas pelos resultados do futebol, conforme pude constatar em Nova York recentemente com um amigo motorista, que consulta a edição paulista neste dia. Em abril, foi um garçom, trabalhando em Lisboa, que me disse ler o nosso jornal regularmente no seu Iphone.

Em termos de televisão, a Record é a mais presente na Europa, com destaque para Portugal, onde a Globo e suas afiliadas não existem. Aliás, o fato destoa dos tempos do fundador, Roberto Marinho, que, nos anos 1960, mandava o jornal numa edição para Portugal no voo diário da Panair e depois Varig.
O tema é importante diante do fato de que a imprensa internacional praticamente ignora o Brasil. Tragédias, violência e escândalos são os que aparecem. Antigamente, as embaixadas tinham jornalistas e escritores divulgando o Brasil, como foram os acadêmicos Antônio Olinto, Otto Lara Resende, nos governos militares, Sebastião Nery e Mauro Santana, com Sarney, entre outros.

Nossa cultura depende do sucesso pessoal de cada um, como o fenômeno Paulo Coelho, já em declínio, e Nélida Piñon, na Espanha. Mesmo Jorge Amado, que foi muito editado, pelo valor da obra e a máquina da esquerda, sumiu das livrarias. Portanto, superada a crise na economia, devemos cuidar deste assunto.

A estimativa é que, fora do Brasil, vivam entre três e quatro milhões de brasileiros, que não se desligam do que acontece no nosso país. Duas TVs a cabo podem ser assinadas, mas são caras para os que estão trabalhando para formar uma poupança e, depois, voltar com algum capital. Sinal dos tempos!!!

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.