RECEITA PARA O INSUCESSO

Este ano vai passar à história da economia mundial. Mudanças fortes ocorrem, sem comando, sem liderança, sem uma coordenação. Países que afundam na crise, países que se encaminham para crise e países que ganham com os erros dos outros.

Depois de décadas de queda na qualidade de vida e serviços dos EUA, a economia renasce na valorização dos valores que fizeram a grandeza da grande democracia. O país que se orgulhava de ser o exemplo do liberalismo, do capitalismo democrático, da justiça social e do regime do mérito foi vendo sua dívida pública aumentar de forma irresponsável para atender a políticas populistas e demagógicas. Ao procurar agradar a mídia mundial, os governos democratas, sempre com forte influência das esquerdas, foram deixando que a liberdade comercial passasse das fronteiras do interesse nacional. Déficits em conta corrente foram cobertos pela emissão de títulos. Empregos em baixa, tecnologia em ritmo mais lento e serviços essenciais perdendo qualidade. Uma tolerânciaexcessiva com imigrantes ilegais, que oneram os serviços públicos e agravam a segurança. E, pior, facilitou a entrada de inimigos do país, de sua cultura, de seu povo, em que o 11 de setembro foi prova maior.

O basta veio com a eleição de Trump, quegoverna para os americanos, diminui o desemprego, faz crescer a economia, diminui impostos,fortalece a moeda e assume compromissos históricos, como a amizade com Israel. As barreiras comerciais visam apenasdiminuir o déficit na balança comercial e proteger o emprego dos americanos. nada mais justo e legítimo.

Mesmo assim, a pressão se faz sentir, numa verdadeira torcida para que seja arrancado de seu mandato. E isso, é bom ressaltar, pouco influirá nos rumos da grande nação, uma vez que o vice é da mesma linha de pensamentoe sua política ter aceitação local, que é o que interessa.

A Europa vive o sobressalto da crise turca. Observamos a debilidade da Grécia sempre pouco confiável, o endividamento italiano e a legislação hostil ao investimento que reina na França, Espanha e Portugal, em meio da uma legislação laboral longe do mundo competitivo e uma carga fiscal indecente. Investir nestes países, até no imobiliário, é uma aventura,considerando a gula fiscal, ambiental, laboral. Malásia, Tailândia, Marrocos, Hungria, Polônia, Singapura são favorecidos por um ambiente mais receptivo ao capital. Índia e Austrália oferecem também maiores vantagens. Alguns países europeus em poucas gerações estarão irreconhecíveis, com outras culturas, outros povos. Jogam no marséculos de civilização.

A América Latina sofre com a demagogia, falta de coragem para políticas de austeridade, com ilhas de bom senso no Chile, Colômbia, Perú, Paraguaie, não se sabe até quando, aArgentina. O Uruguai, que nos anos 1950 era “a Suíça da América Latina”, hoje é uma república socialista que não passa de um bom balneário para argentinos e paulistas ricos. Sua mocidade está em Londres, Paris e Nova York.Teria tudo para ser mesmo uma Suíça, mas elege políticos que foram terroristas, egressos dos famosose violentos “tupamaros”.

A esperta China não é hoje nem de direita nem de esquerda. É apenas uma ditadura pragmática, sonhando dominar o mundo sem dar um tiro.

Independente de esquerda e de direita, liberais ou conservadores, capitalistas ou social-democratas, o que se sabe é que a realidade grita que só a livre empresa gera empregos, que o capital investe onde é bem-vindo, que não se convive mais com a corrupção, com a hipocrisia nem com a violência urbana, que cresceu nos países de imigração de outras culturas – muitos sem cultura alguma –, nas políticas paternalistas com os menos favorecidos. O pobre não precisa de cotas, muito menos de tolerância das autoridades de segurança, mas, sim, de educação, preparo e emprego, com bons serviços públicos na educação e na saúde.

A receita socialista ou social-democrata do assistencialismo com aumento de impostos provoca a fraude, a sonegação, a fuga de capitaise só agrava a situação dos menos favorecidos. O que se conclui que são políticas cruéis com os pobres, para mero diletantismo de bafejados pela sorte, que vivem bem e trabalham pouco. Não pode existir prosperidade com este tipo de legislação e com endividamento superior a metade do PIB.Não há mágica neste jogo.

São raros os empreendedores com mais de 80 empregados, produzindo com esforço, quepodem apoiar este tipo de programa de governo.

Roberto Campos, o grande pensador liberal brasileiro, parlamentar por 16 anos, concluiu que os socialistas do legislativo não amam os pobres, apenas não gostam dos ricos. Até ficarem ricos…

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.