LUTADORES AOS OITENTA

O professor Ives Gandra Martins, um dos mais conceituados juristas do Brasil, intelectual de mão cheia, presidente da Academia Paulista de Letras, aos 82 anos, é um incansável defensor do liberalismo econômico, da ética e das posições da Igreja Católica. Escreve uma média de três artigos por semana e está sempre presente em seminários e debates universitários.

Pertence a uma família de talentos, sendo irmão do pianista João Carlos Martins, que, depois de impedido por doença de tocar, se tornou notável maestro. O filho, que carrega seu nome, é presidente do Tribunal Superior do Trabalho, muito respeitado por uma orientação firme e de muita coragem.

Poeta e filósofo, Ives Gandra tem especial amor às salas de aula, sempre preocupado com os brasileiros da nova geração, agora com a responsabilidade da reconstrução de um país abalado na economia, fragilizado na moral e empobrecido na educação.

Sua impressionante personalidade lhe permite se manter com visibilidade na defesa de seus ideais,  mesmo com uma elite que  não reage, acuada entre a perplexidade e a  pusilanimidade. Mas o lutador conservador encontrou nas manifestações do cidadão comum nas ruas a identidade que o anima a permanecer neste front. Carrega e apregoa fidelidade às bandeiras que marcaram a vida de seu amigo Roberto Campos.

A geração dos 80, aliás, impressiona pela presença ativa na vida nacional. Na combalida Câmara dos Deputados, Paulo Maluf, de São Paulo, e Bonifácio Andrada, de Minas, são referências de disposição e assiduidade, ambos avançados nos 80. São Paulo volta a ver as placas do arquiteto e construtor Adolpho Lindenberg, já na casa dos 90, e o irrequieto Abílio Diniz chega aos 80 no próximo dia 28. Silvio Santos mostra um fôlego invejável. No meio artístico, então, ter 80 é sinal de juventude, como Fernanda Montenegro, Daisy Lúcidi, Tarcísio Meira, Mauro Mendonça e outros. Cada um tem um ideal a alimentar.

Nessa crise que o país atravessa, a presença lutadora e entusiasmada dessa geração mostra a vitalidade da sociedade. Homens e mulheres, que não se entregam diante das dificuldades, carregam convicções e lutam por elas.

Assim, as novas gerações se sentem na obrigação de uma contribuição serena e equilibrada para superação das imensas dificuldades que o país atravessa, com o sofrimento dos menos favorecidos. Bons exemplos!

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.